Google+

Banner

Menu

domingo, 14 de fevereiro de 2016

O Regresso - DiCaprio comendo o pão que o diabo amassou e jogou no triturador | Crítica


Lembram que eu falei que 2015 foi um ano ótimo para filmes de sobrevivência? Depois do leve e divertido Perdido em Marte somos brindados com o tenso O Regresso, aonde Di Caprio come o pão que o diabo amassou, cuspiu e depois jogou no triturador.

1822. Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano disposto a ganhar dinheiro caçando. Atacado por um urso, fica seriamente ferido e é abandonado à própria sorte pelo parceiro John Fitzgerald (Tom Hardy), que ainda rouba seus pertences. Entretanto, mesmo com toda adversidade, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança.

Apesar dessa sinopse original esse filme se foca muito mais em sobrevivência do que vingança em si. 80% do filme é a jornada do personagem de DiCaprio tentando sobreviver sozinho. Já seu filho, a relação de ambos, parece agregar muito pouco a trama, estando ali apenas como motivador.

Colocar um ator sozinho na tela para entreter o público é sempre um desafio, ainda mais quando nem falar ele pode direito, ou mesmo usam os recursos de mostrar o que ele está pensando. O que resta é manter ele com constantes adversidades o cercando, de modo a nunca deixar a trama ficar parada. O coitado sofre e tem que fugir o tempo inteiro, para a alegria do público, sempre entretido.

O filme em si é muito bem feito, a atuação de DiCaprio é excelente (o que não é novidade, vamos convir), e a história consegue manter uma tensão absurda o tempo todo. De todas as cenas, no entanto, o ataque do urso é uma das melhores partes. Você quer entrar na tela para tirar o personagem dali de tão realista e sofrida que a sequência ficou. A fotografia, tão elogiada, é boa, mas não achei anda de outro mundo pra ser honesto.

Ao final chegamos a parte da vingança, a qual entrega mais um embate tenso, embora com alguns aspectos discutíveis (com o tempo que o personagem teve para mirar no outro a curta distancia de cima do cavalo não entendo como ele pode errar, só para podermos ver um combate corpo a corpo depois. Pareceu meio forçado). Só não gostei mesmo de como o filme acaba, soando incompleto. Seria parecido com Perdido em Marte terminar sem o epílogo mostrando como o personagem ficou depois. Esse filme termina meio que do nada, e o que aconteceu com o personagem depois fica para sua imaginação. É um traço de alguns diretores autorais que vejo as vezes, e honestamente detesto. Me entreguem a maldita história completa seus infelizes! Mas de resto, é um ótimo filme, super recomendado.

Nota: 9/10

PS: Esqueci de dizer, mas esse filme é baseado em fatos reais.



Quer mais filmes de sobrevivência?
Recomendo:

****

    Post Mix

Nenhum comentário:

Postar um comentário