Google+

Banner

Menu

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A Trilogia Batman de Christopher Nolan | Crítica


Boas ideias, uma execução competente, e um roteiro que ignora a física e biologia.

Gosto do primeiro Batman de Nolan, ele tenta ser mais realista, conta uma história nova de como o Batman se tornou aquilo, explicando em mais detalhes sua jornada de justiceiro a homem morcego.

Christian Bale faz um bom papel de Bruce Wayne, podemos ver sua perturbação psicológica a todo momento. Ele é forte, mas suscetível a dor e sofrimento como qualquer ser humano normal, e é essa humanidade e raiva do personagem para o que fizeram com os pais dele o que mais nos liga ao personagem, eu suponho. Os métodos mais agressivos também tem seu charme, apresentados no primeiro filme e reforçado no segundo, quando ele não mata ninguém, mas quebra as pernas de um homem para conseguir as respostas que quer.

Não existe mistério quanto aos vilões, o primeiro, Has Al Ghul, é bom, mesmo com pouco tempo de tela. Lian Nelson tem uma presença que não se compra ou ganha com experiência. No segundo temos o coringa, que surpreendeu a todos sendo completamente diferente do anterior, e, para o espanto do público, se saindo muito bem dessa forma. Ele é de fato a representação da anarquia, em todas as suas formas, ainda que a mania do roteiro em fazer ele agir como se estivesse prevendo cada mínimo detalhe do futuro seja absurda (tudo que ele faz no filme é baseado em previsões das ações de cada personagem do elenco, o que é um exagero e tanto, até porque o personagem não parece um gênio da análise, estatística e previsão de ações baseada em análises comportamentais simples, como Sherlock Holmes). O terceiro filme tem os vilões mais fracos, sem presença, fora a física.

Dos dois primeiros eu gostei bastante, mesmo com uns exageros aqui e ali, mas o terceiro.....o batman tem sua coluna quebrada concertada com um soco, um vilão imune a socos, uma vilã que morre de uma das formas mais toscas já vistas, e uma trama lenta aonde o herói sequer aparece por boa parte do filme. Os personagens parecerem que estão teleportando com certeza não ajuda, o filme todo tem uma sensação de ter sido mal construído, e o final, mesmo que bonito, não empolga como os anteriores. Se a tentativa era superar o segundo filme, falharam, esse foi o mais fraco da trilogia.

Por fim, ainda que com seus problemas na terceira parte eu acho que são filmes que valem a pena ser assistidos, ao menos os dois primeiros. Como uma franquia isolada do Batman tentando sair das sombras de Tim Burton eles se saem muito bem, pena o roteiro resvalar em problemas graves com a física, biologia, e as vezes até a lógica.

Nota: 8/10
****

    Post Mix

Nenhum comentário:

Postar um comentário